Designer, vote pela regulamentação da profissão de Designer

Designer, vote pela regulamentação da profissão de Designer AQUI Compartilhe para chegar a 20,000 assinaturas para ser aprovada!

18 abril 2014

Assine pela regulamentação da Profissão de Designer

O Design tem um valor estratégico fundamental no crescimento e evolução de um país, gerando inovação e impactando diretamente a  marca e imagem de um país. 

Compartilhemos esta petição para ter a regulamentação da profissão. Um país sem Design regulamentado apenas mostra aos profissionais e ao mundo, que somos um país atrasado, retrogrado e ignorante no século 21!

Somos um país de zombies ou de designers inovadores? Walking dead designers?
                               

                                   ASSINE AQUI 

15 abril 2014

Design Inclusivo para uma sociedade sustentável

Re-design gráfico de uma embalagem de remédios, com mudança de cor, letra, fundo (information design) ajudando o consumidor do remédio na hora da compra.

Quando falamos de sustentabilidade, automaticamente todos pensam sobre o meio-ambiente, produtos e serviços ecológicos; e esquecem do elemento fundamental, o ser humano.
Uma sociedade será verdadeiramente sustentável quando praticar a inclusão social e laboral das pessoas com deficiência.
Esse e´o elemento humano da sustentabilidade, e não apenas o meio-ambiente, reciclagem ou re-uso. Sob essa perspectiva ainda há um longo caminho a percorrer. 
A pessoa com deficiência é também prioridade, pode e deve ser produtiva na sua sociedade.

Quanto o Brasil perde em produtividade pelas pessoas com deficiência fora do mercado de trabalho? 

Quanto o Brasil poderia ganhar com elas no mercado de trabalho gerando recursos, oportunidades, novos produtos e serviços?

Ou será que qualidade de vida é apenas para a sociedade rica, branca e fisicamente eficiente? 

Lembre-se que a deficiência não é apenas por nascimento, ocorre também por acidentes de trabalho, acidentes automotivos, e violência urbana, então nenhum de nós, eficiente até agora, está fora de faze parte da estatística mundial de pessoas com deficiência.Pense nisso.

Como anedota pessoal, em visita a fabrica de eletrodomésticos, a pessoa que colocava as laminas de corte no liquidificador era uma pessoa cega, já que ela era mais rápida e eficiente que uma pessoa com visão, estes eram mais lentos e sempre se cortavam. 
Tudo é relativo!

Veja o meu artigo sobre Design Inclusivo para uma sociedade sustentável:


  1.  English
  2. Português
  3. Spanish
Para finalizar, design inclusivo, accessível não é apenas no âmbito da Arquitetura, se aplica à Design de produto, Serviços, Webdesign e Design Gráfico melhorando a relação e interação com o usuário seja no ambiente de trabalho ou domestico. 





Lembra-se do caso da enfermeira que matou uma criança aplicando outro liquido em vez de soro? Culpa do Design também, não havia uma distinção de forma, cor, ou layout na embalagem que indicasse que era o soro ou não! Poderia ter-se evitado a morte de uma criança se o design tivesse cumprido o seu papel informativo!

Conheça também a Secretaria dos Direitos das Pessoas com Deficiência.


Enhanced by Zemanta

12 abril 2014

Design Thinking no es Diseño

Design Thinking (DT) en el mundo

Esta nueva ola creativa-inovadora (?) ha invadido grandes empresas y escuelas de negocios en todo el mundo. Incluso las grandes empresas mundiales de diseño no se salvaron y ahora están obligadas a ser expertas en DT o al menos anunciarlo públicamente.

Ser design-thinker/ diseñador-facilitador ahora es aún más importante que sólo ser "diseñador " y surgen preguntas tales como: "Eres nada más diseñador? No , necesito un design-thinker o diseñador-facilitador ". 

E el DT se convirtió en el sinónimo del ciclo completo del diseño y con la idea generalizada de que, dominando el DT han dominado el proceso de diseño completo y peor aún, la idea de que DT es más que suficiente para innovar!

DT por sí solo no es Diseño


Podemos decir de manera resumida que todo el proceso de diseño consiste en dos etapas:
1. investigación e ideas creativas y soluciones generadas por esa investigación e interacción

2.acción concreta del diseñador, tomando la mejor solución posible generada por la etapa 1 y llevarla adelante para llegar a un producto / servicio al mercado.

Por lo tanto , el diseño no es sólo DT ( idea creativa por sí sola sin una acción concreta - etapa 1 ) DT es sólo una parte del proceso de diseño , pero no el todo. 
El DT sólo para generar ideas creativas y sin acciónes concretas no tiene sentido, ya que no da lugar al final deseado. El Dt solo es apenas eso, ideas creativas.

También es importante contar con un diseñador en el proceso total de diseño para lograr los resultados requeridos. 
He visto entrenamientos de DT en grandes empresas globales donde posteriormente no hay un diseñador para acompañar o finalizar el proceso, sino un hombre de negocios experto en DT que conduce el proceso de diseño hacia delante dentro de la empresa para lograr la innovación tan esperada!

El DT y el Diseño - aspectos negativos y positivos


Siento que muchas empresas y escuelas de negocios en el mundo tienen esta errónea concepción de que DT representa el ciclo de diseño completo, desde concepto hasta mercado, donde existe la percepción de que sólo una lluvia de ideas creativas en una tarde resolverá todos los problemas de una empresa global.

El aspecto negativo del DT para el Diseño es que conduce a una visión equivocada del Diseño como algo rápido, fácil, superfluo y que puede ser practicado por cualquier persona , sin la guía de un diseñador.

Hoy en día , las empresas quieren soluciones innovadoras de forma rápida y a bajo costo , y parece que de alguna manera , el DT ha llenado este vacío, en algunas sesiones semanales en las que la empresa tiene la solución que necesita.Por lo tanto , el costoso, complejo y demorado proceso de diseño , se ha convertido con el DT en un proceso barato, rápido y sin mayores complejidades.

En otros países fuera del primer mundo, donde el Diseño apenas se consolida, como el DT está impactando su desarrollo, entendimiento y aplicación?


Por otro lado, el aspecto positivo del DT es que democratiza el Diseño ya que el DT condujo a una comprensión mayor " bien o mal " del diseño y su popularidad en todo el mundo en las escuelas y las empresas , pero especialmente en las empresas donde con el DT comenzaron a darse cuenta de la importancia del diseño para su supervivencia en el mercado global.
El diseño ganó una visibilidad sin precedentes en su historia con el DT , y cientos de libros , conferencias y artículos sobre el tema . Podría decirse que hay más diseño en el mundo a causa del DT , y esto es muy positivo y necessário.


Participantes son co-diseñadores?


La participación de otros co-creadores (y no co-diseñadores ) es bienvenida y muy necesaria en el diseño, pero sólo el diseñador tiene la experiencia, el conocimiento para filtrar y transformar estos conocimientos en el resultado final deseado. No puede dejar que la decisión final del diseño sea de los participantes , transferir el diseño a los co-creadores, lo que debilita el diseñador y la propuesta final. Esta decisión debe ser tomada en conjunto con el diseñador, que seleccionará las mejores propuestas y las llevará adelante .
Por lo que es importante aclarar el papel de los participantes y DT , y no ofrecer el DT como un paquete cerrado de todo el proceso de diseño y , milagrosamente resolver en una tarde muy creativa todos los problemas de la empresa. El DT indica el camino a seguir con las mejores soluciones desarrolladas de una manera colaborativa e aprobada por todos.

DT - contra o a favor?

Este articulo no es contra del DT en las escuelas y las empresas y como diseñador apoyo su expansion en el mundo. 

El punto clave de este artículo es que el DT y Diseño se comprenda y utilize correctamente. 


Es de vital importancia para el mismo Diseño y la empresa que sea esclarecido el DT dentro del proceso de diseño, y decirle a los interesados ​​que sólo el DT no es diseño como tal, no se puede utilizar solo; para eso, es necessário un diseñador y el trabajo a lo largo del ciclo de diseño.

Creo que así, con más claridad y etica profesional, habrá un beneficio aún más grande y más real para el Diseño en el mundo. Todos ganamos.

Y queda la pregunta, después de todo este frenesí de DT, que vendrá en seguida?

Design Thinking não é Design no Foro Alfa

Foro de Design em espanhol e português

Veja meu ultimo artigo para o excelente Foro Alfa

Design Thinking não é Design

Invasão do DT no mundo

Design Thinking (DT) invadiu o mundo. De alguns anos para cá, surgiu uma contaminação massiva (digna de filme apocalíptico de zombies) de «Design Thinking». Essa nova onda criativa – inovadora (?) invadiu grandes empresas e famosas escolas de negócios no mundo inteiro. Até as grandes empresas mundiais de Design não foram poupadas, e agora são obrigadas a ser especialistas em DT ou pelo menos, anunciar isso publicamente.
Ser «design-thinker» e/ou design-facilitador é agora ainda mais importante do que ser apenas «designer» e surgem questões como: «Você é só designer? Não serve, eu preciso de um Design-Thinker ou um design-facilitador!»
E da noite para o dia, todos são design-thinkers/designers/co-designers e assim o DT virou sinónimo do ciclo completo do Design; com a ideia generalizada e errada que, dominando o DT você domina o processo de Design completo e pior ainda, a ideia de que o DT é mais que suficiente para inovar!

Mas Design-Thinking por si só não é Design!

DT é só uma parte do processo total do Design, de maneira muito breve, podemos dizer que o processo completo do Design é composto de ideias-soluções criativas + ação concreta do designer, para se materializar num produto/serviço para o mercado.
Assim, Design não é apenas DT (solução criativa isolada) sem uma ação concreta. E DT representa apenas uma parte do processo de Design, mas não o todo.
O DT apenas para gerar ideias criativas, sem a ação concreta, não tem sentido, já que não levará ao resultado final desejado sem a intervenção do designer profissional no ciclo completo do Design.
Também é importante ter um designer no processo total do Design para alcançar o resultado profissional necessário. Já tenho visto capacitações de DT onde posteriormente não há um designer, mas um empresário capacitado em Design Thinking levando o processo de Design adiante dentro da empresa para alcançar a tão sonhada inovação!

O DT e o Design

Acredito que muitas empresas e escolas estão com essa visão equivocada que DT é Design completo, onde há essa percepção de que apenas um brainstorming criativo de uma tarde resolverá todos os problemas de uma mega empresa global.
Essa percepção do DT leva a uma visão equivocada do Design como algo rápido, fácil, supérfluo e que pode ser praticado por qualquer um, sem a orientação de um designer.

A aplicação do DT também leva a outra questão, todos os participantes são co-designers?

A participação de outros co-criadores (e não co-designers) é bem-vinda e muito necessária no Design, mas apenas o designer tem a experiência-conhecimento para filtrar e transformar esses insights no resultado final desejado. Não se pode deixar na mão dos participantes a decisão final do Design, transferir o Design para os co-criadores, enfraquecendo o designer e a sua proposta final. Essa decisão final deve ser feita junta com o designer, que escolherá as melhores propostas e as levará adiante.
Por isso é importante esclarecer o papel dos participantes e do DT, e não oferecer o DT como um pacote fechado de todo o processo de Design e que, resolverá milagrosamente numa tarde super criativa todos os problemas de inovação, sustentabilidade que a empresa tenha. O DT indica o caminho a seguir.

A popularização do DT

Hoje em dia, as empresas querem rapidamente soluções inovadoras e a baixo custo, e parece ser que, de alguma maneira, o DT preencheu essa lacuna, onde em algumas sessões semanais a empresa tem a solução que precisa. Assim, o processo caro, complexo e demorado do Design, transformou-se com o DT num processo barato, rápido e sem maiores complexidades.
Não sou contra o DT em escolas e empresas e, até mesmo aplicada por designers. Pelo contrário, já que o DT levou a um maior entendimento «certo ou errado» do Design e da sua a popularização mundial nas escolas e empresas, mas principalmente nas empresas onde com o DT começaram a perceber a importância do Design para a sua sobrevivência no mercado global.
O Design ganhou uma visibilidade sem precedentes na sua história com o DT, para além de centenas de livros, conferências e artigos sobre o tema. Indiscutivelmente há mais Design no mundo por causa do DT, e isso é muito positivo e necessário.
O ponto fundamental deste artigo é que o DT e o Design sejam entendidos e aplicados corretamente. Como designer não sou contra o DT e o seu uso.
Mas acredito que é vital para o designer e para a empresa esclarecer-se sempre o que é o DT dentro do processo de Design, e dizer aos interessados que o DT por si só não é Design, e não resolverá as necessidades ou problemas existentes se usado isoladamente; para isso, é preciso ter um designer e trabalhar todo o ciclo do Design.
Acredito que assim, haverá um benefício ainda maior e real para o Design no mundo.
>>Artigo de Marcio Dupont para o Foro Alfa<<


11 abril 2014

Empreender Saúde - Inovação, empreendedorismo em saúde


Gostaria de divulgar um dos sites fundamentais quando falamos de inovação, empreendedorismo, startups no campo da saúde, o Empreender Saúde.
Ele foi criado em 2010 por médicos da Escola Paulista de Medicina (UNIFESP). Dr. Fernando Cembranelli e Dr. Vitor Asseituno que se juntaram para criar um hub com o objetivo de fomentar o cenário do empreendedorismo em saúde. 
O portal EmpreenderSaude.com.br com matérias relacionadas ao mundo dos negócios em saúde, bem como sua visão sobre o cenário das startups no mundo, é o único no Brasil e faz parte da rede mundial Health2.0 
Sabemos que empreender no Brasil já é difícil  e no campo da saúde há mais desafios e barreiras ainda, pensando nisso o Empreender Saúde aproxima startups de investidores, realizando de maneira continua eventos com objetivo de trazer referencias do mercado para o palco e estimular o networking entre empresas já posicionadas no mercado, e novas startups como o evento Health2.0 America Latina que aconteceu dia 5 de Dezembro passado no Hospital Sirio-Libanes em São Paulo.
Se você é empreendedor, designer da área da saúde, startup recomendo conhecer o site Empreender Saúde

31 março 2014

Design para inovação continua


Como designer e analista de sustentabilidade sempre recebo a mesma pergunta vinda dos empresários de diferentes setores:

“Para que eu preciso de um designer se a minha empresa não projeta, nem desenvolve um produto físico? Eu trabalho com serviços, com o intangível!”

Como já me cansei de responder essa questão uma e outra vez, melhor escrevo este artigo e quando alguém no futuro me perguntar, direcionarei a pessoa para este link!

Design é intangivel


Caro empresário brasileiro, o design acima de tudo, aporta para a sua empresa um “pensamento estratégico" – criativo, de inovação, independente se ela desenvolve produtos físicos ou não.
Esse pensamento estratégico gera novas, e aperfeiçoa as já existentes, vantagens competitivas da empresa no mercado e frente a seus concorrentes, na forma de novos modelos de negócios, novos serviços – experiências – percepções de sua empresa para o consumidor e etc.

Um exemplo conhecido é a Apple. Steve Jobs sempre foi um “design thinker” de primeira classe, ele sempre entendeu perfeitamente o valor e a aplicação do design como um pensamento estratégico – inovador para gerar inovação à todos os níveis possíveis, desde processos de engenharia (tangível) até criação de novos estilos de vida (intangível)!

Sem o design, desde essa perspectiva, dificilmente produtos com Ipad, Iphone, e serviços derivados deles e ultimamente o Icloud teriam surgido no mercado, criando infinitos novos mercados e conservando mercados já existentes

Esta qualidade criativa e inovadora é algo natural, inerente ao designer, pela sua mesma formação profissional, leva-o a ter sempre uma visão e abordagem sistêmica sustentável e a capacidade de entender e integrar as diferentes disciplinas dentro de uma empresa.

O design é sempre um catalisador de inovações, a qualquer nível que seja aplicado!

 O design é vital para que a empresa seja sustentável e inovadora em todas as suas dimensões (ambiental, social e econômica) funcionando também como um elemento unificador, criador e consolidador da cultura sustentável da empresa, em todos os níveis.

Frustrante verificar que comitês de sustentabilidade nas empresas, prêmios às melhores empresas sustentáveis, e até empresas certificadoras, não tem nenhum designer.

Mas tem que decidir o que é estratégico, sustentável e inovador!

Isso porque não entendem ou não conhecem o beneficio do "design como pensamento estratégico em um contexto global corporativo”, e ainda acreditam muito erroneamente que um bom engenheiro especializado em gestão ambiental, processos, junto com administradores e financeiros “verdes” seria mais do que suficiente para gerar novas dinâmicas sustentáveis internas e externas.

Sem o designer e a sua visão, as dinâmicas sustentáveis da empresa serão limitadas, conservadoras e de curto prazo.
Ela será sustentável sem o designer, importante dizer, mas não terá todo o seu potencial mapeado, conhecido e explorado.

É hora do empresário brasileiro deixar para atrás essa visão obsoleta de que o design somente é necessário caso a empresa desenvolva produtos físicos.

O design não existe mais apenas como um elemento físico – industrial para manufatura.

Caso ele queira realmente ser sustentável e inovador, precisará sempre do design como pensamento para a inovação e sustentabilidade!

Já esta na hora do design ser percebido como um pensamento estratégico – criativo – inovador vital para a sua empresa, em todos os sentidos.
Ele deve ter o seu respectivo lugar de destaque na busca da sustentabilidade empresarial brasileira neste século 21.

Afinal, visões conservadoras e quadradas, em qualquer âmbito da ação humana, não podem gerar sustentabilidade criativa e muito menos inovação!

22 março 2014

Prêmio Objeto Brasileiro - A Casa



A CASA museu do objeto brasileiro organiza a 4a edição do Prêmio Objeto Brasileiro, que vai destacar e premiar o melhor da produção artesanal contemporânea no Brasil.

Mais do que um abrangente concurso organizado por uma instituição pioneira e atuante na promoção do design e da produção artesanal contemporânea, o Prêmio é um acontecimento bienal e permanente que mobiliza e estimula recursos criativos, troca de ideias e novos contatos.

Os objetos e projetos premiados integrarão uma exposição que será inaugurada em 22 de outubro de 2014, data da entrega dos prêmios. Cabe à Comissão de Seleção e Premiação escolher, dentre os objetos finalistas, aqueles que farão parte da exposição.

Os textos premiados serão publicados no site www.acasa.org.br.
No caso de livros, dissertações ou teses, poderão ser publicados apenas trechos do conteúdo. Cabe à Comissão de Seleção e Premiação escolher, dentre os textos finalistas, aqueles que serão publicados no sitewww.acasa.org.br, mediante autorização.

O Prêmio Objeto Brasileiro faz parte de um conjunto de ações realizadas por A CASA museu do objeto brasileiro com o objetivo de contribuir para o reconhecimento, revalorização e revitalização desse importante patrimônio cultural brasileiro.

Com a realização deste projeto, a instituição colabora para a criação de condições favoráveis ao desenvolvimento de um processo autossustentável nas comunidades de artesãos e proporciona ao designer novas possibilidades de criar produtos através do contato com a diversidade cultural brasileira e com diferentes contextos sociais e econômicos.

INSCRIÇÕES PELA INTERNET: As inscrições pela internet serão realizadas pelo site www.acasa.org.br/premio.

04 março 2014

Brasil precisa um re-branding urgente

Camiseta Adidas Copa (Foto: Reprodução)



O Caso Adidas onde a empresa disponibilizo no mercado mundial, camisetas com imagens de cunho sexual, demonstra mais uma vez que a marca "Brasil" não está atualizada, repensada para novos tempos.

Culpa da empresa? Não, ela apenas pegou o que está no ar e no imaginário do estrangeiro.

Culpa da empresa? Sim, poderia ter pesquisado e ter sido mais consciente e cautelosa.

O Brasil vende sexo, então não reclamemos do que vendemos, façamos a mudança. Veja post sobre isso.

Copa 2014 e Olimpíadas, serão suficientes?

Sendo assim o Brasil precisa de um re-brading urgente, a Copa e as Olimpíadas não serão suficientes, ou apenas marcarão nos pontos já conhecidos.

O vôo do Brasil, "the next big thing" ainda não aconteceu como se esperava, como constatou a revista The Economist em 2013, ou seja ficamos devendo ao mundo.

Brasil e a economia criativa

Bunda, bola e Carnaval, não são inovações e não geram inovações!
Construção de um país encima de clichês e machismos, é algo retrogrado que não pertence ao século 21. Ficamos nesse ufanismo anos 50, a la Zé Carioca e acreditamos que temos tudo para ser uma potência, temos sim, mas não está visível ou claro para todos.

O Brasil precisa urgente uma nova imagem-marca para o mundo. E esta deve ser feita no novo campo da economia criativa, uma nova economia de intangíveis como criatividade, colaboração, compartilhamento, cooperação e assim gerar inovadores produtos e serviços para o século 21.
A economia de tangíveis é passado, não podemos mais pensar que apenas o petróleo e as matérias-primas permitirão o desenvolvimento econômico deste pais, eles são apenas mais um setor da economia, mas não deve ser mais o pilar único.

Intangíveis não se esgotam, só se multiplicam beneficiando a todos.

Ministério da Inovação

Como sugeri alguma vez, precisamos de um novo Ministério da Inovação com um designer à frente.

Podemos pensar na extinção do Ministério da Ciência e Tecnologia, com um politico à frente, ou transformação para um novo Ministério com um cientifico top de linha à frente.

A Criação de um Ministério da Economia Criativa complementando o da Inovação. A economia criativa é o futuro do Brasil.

Não podemos mais deixar o futuro cientifico-tecnológico nas mãos de políticos incompetentes, "cumpanheiros" ou não.

Politico conservador, retrogrado e incompetente nunca vai gerar inovação. Circulo não vira quadrado!

O futuro do Design no Brasil

Design deve ter prioridade máxima neste país, e faz toda a diferença, casos conhecidos como Japão, Itália que fazem do design um dos pilares do país.

Governo tem feito bom trabalho e designers também, veja a ADP - ADG - ABEDESIGN - Centro Brasil Design

Governo, empresas e designer devem fazer parcerias duradouras que vão mais além de uma eleição.

As grandes multinacionais brasileiras, também devem colaborar com os escritórios locais de design, sendo proibidas de ir para o exterior para desenvolver re-branding e serviços, como fez famoso banco brasileiro há pouco, que trouxe do exterior expertos em serviços. Ou que pelo menos, essa parceria estrangeira aconteça com um escritório local. Não sou contra colaboração de fora, deve existir, mas sempre com equilíbrio e respeito.

Acredito que o Design Thinking deve ser ensinado na escola desde o mais cedo possível, devemos formar criativos, que serão os inovadores do futuro brasileiro.

Marca Brasil é suficiente?

Acredito que não, temos material de sobra para um re-branding. Precisamos que este país tenha uma missão, visão, objetivos e tratar o país como uma empresa criativa.

Temos excelentes designers de branding e serviços, referências de sobra quanto à design, pessoas, historia.



O que você acha da marca acima desenvolvida pelo M. do Turismo?

Se quiserem adicionar mais comentarios sejam bem-vindos.


Related articles
Enhanced by Zemanta

20 fevereiro 2014

A Favelização do Design Brasileiro (Favelization)

A curadora de arte-design brasileira  Adriana Kertzer em @adrianakertzer radicada nos Estados Unidos  transformou a sua tese de mestrado na Parsons School of Design em um excelente livro que explica o fenômeno de "favelização da cultura e design brasileiro". 

Este artigo foi extraido de @coolhunting

Veja entrevista  e livro abaixo:

BY PHUONG-CAC NGUYEN IN CULTURE ON 11 FEBRUARY 2014

Favelization-1a.jpg Favelization-01b.jpg
Plastic furniture ubiquitous at cheap botecos in Brazil made to look like they were riddled with bullets (and sold at high-design prices), a chair created from wood scraps that was inspired by discarded furniture designers once saw in a favela, couture dresses conceived with help from residents of a Brazilian slum: these are just a handful of examples of “Favelization.” It’s a term that Adriana Kertzer has named the movement of fashion and furniture designers, filmmakers and artists who are “misappropriating” symbols and stereotypes of the favela to make their products more appealing to non-Brazilians. Kertzer, a New York-based lawyer-turned-art-consultant, transformed her observations into a master’s thesis for Parsons that will now be getting wide release in the form of an e-book under the Smithsonian’s Cooper-Hewitt, National Design Museum’s imprint this month as part of its DesignFile series. We spoke with Kertzer about phenomenon and the complex political and social issues surrounding it.
Favelization-04.jpg

How is favelization different than the “ghetto fabulous” concept—of us selling ghetto culture to other countries?

I have noticed one important difference. The aesthetics we regard as “ghetto fabulous” were created by and spread amongst the inhabitants of certain American neighborhoods. Certain “ghetto fabulous” trends then spread among other communities, eventually entering mainstream American and global culture. In the case of favelization, the trend began outside of the favelas and became popular outside Brazil first. Yes, you can argue that the aesthetics of favelized luxury objects were inspired by the favelas. However, the individuals creating and marketing favelized objects were not originally favelados [residents of the favela].

 Now that favelization has had a few years to develop, has it been sold back to Brazilians?

You are absolutely right. As the São Paulo-based designer Paola Crosco stated at dinner this month, Brazilians need a critic outside of Brazil to say something is good first, then they will consider it. Upper-class Brazilians have always looked outside the country for new aesthetic trends; first to Europe and now to the United States. This dynamic has also been the case with favelization, which is now manifesting itself in Brazil as it has in Europe and the United States for years. An example is the Boate Vidigal, a nightclub in Porto Alegre. Its interior design attempts to replicate the aesthetics of Vidigal, a favela in Rio de Janeiro, and the nightclub’s target audience is upper-class Brazilians.

Have you observed favelization becoming more fetishized as the World Cup and Olympics get closer?

Official logos, for example, do not reference the favelas. However, it is interesting to see how different promotional videos related to these events selectively include (or exclude) images of favelas.
Favelization-02.jpg
You make it clear that you believe favelization is exploitative. How can an artist/designer/filmmaker proceed in a way that it is not?
That is the question I still struggle with. “Favelization” is a book that uses specific case studies to explore the dynamics of favelization and reveal similarities between this trend to other trends in history. As a design academic, it was not my intention to write a “guide” on how to favelize properly. My objective was to explore and reveal connections, similarities and potential problematic dynamics. As a design curator, I see examples of objects attached to fantastic storytelling everyday. I also know of incredible objects that deal with “national” themes. Perhaps the way to engage with any type of storytelling is to keep it genuine. But the responsibility for avoiding the exploitation of stereotypes does not lie solely with designers. Journalists, advertising executives, companies and consumers also need to avoid reducing great storytelling into simplistic generalizations.
Favelization-03a.jpg Favelization-03b.jpg

How have the designers and artists whose work you use as examples reacted to your categorization of their works?

I don’t know yet. They all know about the project because I have requested images and image rights. Some designers might be a bit wary but recognize that having their work analyzed in such depth is important. Others might experience a deep sense of discomfort, perhaps because the style of design criticism I deploy is not as common in Brazil as it is in the United States. But at the end of the day, I hope the designers share my belief that Brazilian design will only assume a fuller role in design history once objects receive serious and sustained analysis.

What do you have lined up for 2014?

I am currently working on the exhibit “New Territories: Laboratories for Design, Craft and Art in Latin America” as a curatorial assistant at the Museum of Arts and Design in NY. I would like to see “Favelization” turn into an exhibit itself, curated by someone other than me! Later in the year I will begin working on an exhibit about the “MadMen” TV series and another titled “Fine Art Fabricators.” Another book? I would like to write about the re-branding of marijuana in the United States.

Favelization – the book

Favelization is officially released on 11 February 2014 and is available from Amazon and iTunes.
More about the book at @Favelization published by @cooperhewitt
Images used with permission of respective artists, designers and brands, courtesy of Favelization

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...